Por que ter um plano de internacionalização vale a pena - O caso de Sunny Sky Solutions

Os empresários têm milhares de coisas das quais se encarregar, e a internacionalização, especialmente para as PME é "uma coisa a mais" das tantas pelas quais se preocupar. Inclusive quando a expansão para fora das fronteiras seja absolutamente vital para a sobrevivência ou para o crescimento da nossa empresa, sabemos que elaborar um plano de exportações ou um plano de internacionalização leva tempo.

Então, por que investir tempo, sempre tão escasso, neste plano?

A seguir proponho oito razões para pensar nisso.

  1. O processo de realizar um plano de internacionalização acrescenta valor.

O próprio processo de realizar este plano, que pode ser muito intenso, acrescenta valor porque, entre outras coisas significa que devemos dar tempo a este aspecto do negócio em especial, focar nele e deixar por um tempo o dia a dia que tanto nos consome. Além disso, nos obriga a pensar mais estrategicamente, nos força a repassar as nossas conquistas e relembrar as nossas forças, nos coloca de frente com as nossas fraquezas, que às vezes deixamos "passar" no cotidiano e, se fazermos isso de forma colaborativa, como sempre recomendamos, oferece a chance de escutar a todos.

Também nos obriga a analisar muitas funções da empresa, desde os recursos humanos até as finanças e a propriedade intelectual, por mencionar apenas algumas, e nos ajuda a consolidar muitas ideias, informações, dados e contatos.

  1. Realizar um plano de internacionalização nos organiza.

Não somente porque estabelecemos focos e prioridades, mas também porque descartamos coisas como mercados, estratégias ou ações, entre outras, que "pesavam" demais e que, analisadas e descartadas, nos liberam para focar no realmente importante. Sempre menciono que o plano é tanto o que está dentro quanto o que fica por fora, relembrar o que não faremos é quase tão importante quanto relembrar o que sim iremos acionar.

  1. Um plano minimiza riscos.

Os riscos também existem no mercado interno, porém nos mercados internacionais, quando os combinamos com grandes distâncias, culturas diferentes, mudanças de moeda, outros sistemas legais e aduaneiros, os erros se pagam caro.

Um plano jamais pode eliminar riscos, mas pode reduzi-los. Por exemplo, fazendo um plano podemos ver que temos uma fraqueza marcada em propriedade intelectual. Atendendo esse assunto hoje, podemos minimizar riscos e poupar muito dinheiro e muito tempo no futuro.

  1. Um plano maximiza resultados.

Pensar as coisas com detenção e ver como podemos explorar cada ação, sem deixar tudo livrado à sorte ou para o último minuto, significa que podemos maximizar resultados. Por exemplo, se vamos visitar outro país em uma missão comercial ou feira, pensamos exatamente que queremos conseguir?, que métricas usaremos para medir isso?, em que podemos nos apalancar?

  1. Um plano maximiza os recursos.

Se você pode se focar em poucos mercados, pode maximizar os recursos para esses mercados e não ficar pulando de um para outro com o consequente desgaste de recursos: os sócios e os empregados se confundem e desmotivam, enquanto o dinheiro é gasto em ações não necessariamente rentáveis.

  1. Ter um plano nos torna responsáveis.

O plano deve ter métricas claras, com datas pré-estabelecidas e responsáveis para cada ação. O documento nos obriga a ser muito transparentes com as ações que levamos em frente e a fazer ajustes só quando for realmente adequado.

  1. O plano nos faz manter o foco.

O plano de internacionalização é o nosso guia, mas também é a nossa própria vara para medição. Quando temos tantas demandas sobre o nosso tempo, o plano é a desculpa para voltar ao caminho que nós mesmos traçamos. Por isso o consultor pode guiar a elaboração de um plano, mas o plano é sempre propriedade e responsabilidade da empresa, que deve sentir que é seu. Também podemos argumentar que ter um plano nos motiva como equipe.

  1. Ter um plano nos faz sentir e ver mais profissionais.

Isso é algo que muitas vezes não se discute, mas que é fundamental. Ter um bom plano de internacionalização nos torna mais sólidos como empresa, por mais jovem que a empresa seja. Nos proporciona seriedade e segurança, mas também nos afiança em frente a possíveis sócios e aos nossos empregados, bem como perante organismos de financiamento e de apoio, como Uruguay XXI, a Agência Nacional de Pesquisa e Inovação (ANII, por sua sigla em espanhol), a Agência Nacional de Desenvolvimento (ANDE) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), entre outros, e inclusive frente a possíveis investidores. É também um diferencial em relação à nossa concorrência.

Um plano de internacionalização acarreta muita "cabeça", porém, como vimos, irá se pagar a si mesmo com os benefícios que traz e os custos e problemas dos que nos poupa.

Gabriela Castro-Fontoura

Economista e diretora de Sunny Sky Solutions

  • partilhar