Indústrias criativas / Industria Editorial


Industria Editorial

A indústria editorial uruguaia tem uma longa tradição tanto no nível literário quanto na imprensa escrita. A maturidade do setor se reflete na experiência e compromisso de recursos humanos que a compõem, bem como a qualidade das suas publicações e baixas taxas de pirataria são registradas no país. Por outro lado, o Uruguai tem o maior hábito de leitura na região e é o país com o maior número de livrarias por habitante na América Latina.

A imprensa tem uma história rica e uma intensa actividade que se reflete em jornais, semanários e revistas cuja relevância política, literária e bem-humorado tem sido historicamente reconhecida na região.

No campo literário, a indústria editorial alcançou reconhecimento dos autores no cenário regional e internacional, distingue-se pela sua qualidade literária e originalidade e singularidade de seus produtos (prova disso é a expressão "raro", utilizado para identificar autores uruguaios de todas as gerações).

Os editores e distribuidores independentes no Uruguai marcam a marca na publicação e distribuição das novas gerações de escritores. Também estão presentes no país os principais grupos da indústria editorial internacional que, ao mesmo tempo que comercializam seus títulos internacionais, publicam autores uruguaios.

Nos últimos anos, o mercado registrou um dinamismo notável no segmento de literatura infantil passou a representar 15% das vendas de livros uruguaios e considerar o novo boom da literatura nacional.

O desenvolvimento da indústria no Uruguai é forte em comparação com o resto da América Latina, e coloca o país em terceiro lugar na publicação de títulos per capita.

Juan Carlos Onetti, Mario Benedetti e Eduardo Galeano são os autores uruguaios mais traduzidos e, portanto, mais reconhecidos internacionalmente.

Casos em destaque:

  • O Uruguai tem uma tradição literária reconhecida e figuras que têm sido fundamentais na literatura americana como Juana de Ibarbourou, Felisberto Hernández, Horacio Quiroga, Mario Benedetti, Eduardo Galeano, Mario Levrero e, particularmente, Juan Carlos Onetti, recebeu o prestigioso Prêmio Cervantes em 1980.
  • Na cena contemporânea para suas publicações internacionais e prêmios nacionais e internacionais incluem: Thomas Mattos, Mario Delgado Aparaín, Gustavo Espinosa, Carlos Maria Dominguez, Felipe Polleri, Mercedes Rosende, Claudia Amengual, Pablo Casacuberta, Damián González Bertolino, Valentin Trujillo, Daniel Mella e Circe Maia, entre outros.
  • No campo da banda desenhada e ilustração, o Uruguai também tem casos notórios internacionalmente como Edward Barret (ilustrador de Batman e Robin para a DC Comics) Hermenegildo Sabat e Hogue e, mais recentemente, casos como ilustradores Matías Bergara , Richard Ortiz e Daniel Gonzalez e o escritor Rodolfo Santullo, que conseguiram se posicionar no cenário internacional com suas próprias criações.
  • ilustradores uruguaios Fran Cunha e Dani Scharf faziam parte da seleção oficial do Prêmio Ilustração Internacional concedido pelo renomado infantil Feira do Livro de Bolonha e da Fundação SM, sendo os primeiros ilustradores uruguaios para fazer parte desta seleção de prestígio.

Casos de sucesso de vendas no exterior:

  • Alguns títulos uruguaios têm representado verdadeiro sucesso de vendas no exterior, como os ligados à trágica equipa acidente de avião de rugby uruguaio aconteceu em 1972: "Milagre na Andres", "Sociedade de neve" ou "eu tinha que sobreviver" excedeu No total, 300.000 exemplares e traduções para mais de 12 idiomas, chegue à lista de Best selles do The New York Times.
  • Um fenômeno similar representam títulos sobre o ex-presidente do Uruguai, José Mujica: "A ovelha negra de energia: Confissões e intimidades de Pepe Mujica" Andrew Dança e Ernesto Tulbovitz, ou a biografia "Mujica" Miguel Angel Campodonico, fazer vendas superior no total, 200.000 exemplares no Uruguai, Turquia, Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Coréia, Japão, Espanha e México.
  • literatura infantil incluem mais de 500.000 cópias vendidas por Roy Berocay no exterior (México e Argentina) em edições de vários de "El Sapo Ruperto" ou "Pateando Moons" e Cecilia Curbelo, com obras que recorde de vendas de mais de 85.000 cópias Uruguai, Argentina, Chile, Costa Rica, Colômbia, Guatemala, México e Panamá.
  • Na ficção, além dos clássicos uruguaio Selles melhores destaques com bestseller singular hoje Carlos Dominguez, cujo romance, A Casa do papel, tem mais de 200.000 cópias vendidas e foi traduzido para 30 idiomas.

Deseja entrar em contato com produtores de industria editorial no Uruguai?

Em Uruguay XXI coordenamos reuniões com contrapartes locais, de forma gratuita e personalizada, de acordo com as necessidades e interesses da sua empresa.
Além disso, geramos agendas com encontros de negócios, bem como vinculamos aos exportadores desses produtos com interessados em comprá-los.

Contato